Palestrantes

Amanda.jpg

ANANDA MACHADO

Instituição: Universidade Federal de Roraima

Pós Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Estudos de Literatura (PPGEL-UFF); Pós doutora pelo Programa de Pós Graduação em Antropologia Social (PPGAS-UFRJ); Doutora em História Social (PPGHIS-UFRJ/UFRR), Professora efetiva no Programa de Pós Graduação em Letras (PPGL/UFRR) e do Profhistória UFRR; efetiva desde 2009 do Curso de Gestão Territorial Indígena no Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena, da Universidade Federal de Roraima (UFRR), possui Mestrado em Memória Social pela Universidade do Rio de Janeiro (PPGMS/UNIRIO), graduação em Licenciatura em Artes Cênicas pela Universidade do Rio de Janeiro (CCLA/UNIRIO). Com especialização em Educação Indígena pela Universidade Federal Fluminense (UFF); especialização em Democracia, República e Movimentos Sociais (UFMG). Coordenadora do Programa de Valorização das Línguas e Culturas Indígenas em Roraima (PRAE/UFRR) e do Laboratório de Estudos e Ensino de Línguas e Literaturas Indígenas (LEELLI/PPGL/UFRR); Líder do grupo de pesquisa Literaturas Indígenas, Africanas e Caribenhas (CNPQ). Tem experiência na área de línguas indígenas, literaturas indígenas, história indígena, história oral, biografia, memória, Arte Educação, Formação de Professores Indígenas, com ênfase em educação patrimonial, atuando principalmente nos seguintes temas: elaboração de materiais didáticos, artes cênicas, narrativas e dramaturgias em línguas indígenas, antropologia, história e patrimônio.

Dário.jpg

DÁRIO VITÓRIO KOPENAWA YANOMAMI

Instituição: Universidade Federal de Roraima

Nasceu em 1982, na comunidade do Watoriki (Serra do Vento), também conhecida como Demini, em Amazonas no Brasil. Ainda vive lá. Ele é o filho mais velho de Davi Kopenawa Yanomami, líder conhecido em todo o mundo pela defesa dos direitos do povo Yanomami. Professor em sua comunidade, encabeçando o projeto de educação intercultural bilíngüe  com grande ênfase na valorização da escrita da língua Yanomami. Em 2004 ele se tornou o responsável pela escola em sua comunidade, e ao mesmo tempo se juntou ao  conselho de administração da  Hutukara Associação Yanomami .

Ativista, Participou também nas assembléias da COPIAM  (Comissão dos Povos Indígenas do Amazonas, Acre e Roraima) em 2000, e OPIR (Organização dos  Professores Indígenas de Roraima) em 1999 e 2007.  Em 2002, ele fez parte de um grupo dos professores Yanomami que, juntamente com representantes da CCPY, viajram para Boston nos EUA para uma série de conferências nas escolas e universidades. Em 2003, em Paris, ele deu palestras para estudantes franceses durante a abertura da Exposição dos Yanomami na Fondation  Cartier. Durante o mesmo viagem, ele viajou para a Itália a convite da Survival Internacional Itália, onde se encontrou com políticos e estudantes.

Davi.jpg

DAVI KOPENAWA YANOMAMI

Instituição: Povo Yanomami 

Davi Kopenawa Yanomami

É xamã e porta-voz do povo Yanomami, um dos maiores povos indígenas relativamente isolados que vive na floresta Amazônica na fronteira do Brasil com a Venezuela.

Chamado de “Dalai Lama da floresta”, Davi é hoje reconhecido internacionalmente como embaixador do seu povo e uma das vozes mais eloquentes e poderosas que se manifesta contra a destruição da floresta Amazônica e dos seus povos.

Artista, escritor e ativista que por 25 anos ele liderou incansavelmente uma campanha nacional e internacional para garantir os direitos à terra Yanomami, conseguindo dessa forma, reconhecimento no mundo todo e inclusive no Brasil. Como consequência de sua luta, o território Yanomami foi reconhecido e demarcado pelo governo brasileiro em 1992. A terra indígena Yanomami, que se estende do Brasil à Venezuela, representa a maior área de floresta tropical sob controle indígena em todo o mundo. Intérprete da Fundação Nacional do Índio, FUNAI, traduzindo para equipes médicas que trabalhavam nas comunidades Yanomami e ajudando a FUNAI a expulsar os invasores de suas terras.

Edson.jpg

EDSON MACHADO DE BRITO KAYAPÓ

Instituição: Instituto Federal da Bahia

Doutor pelo programa pós-graduado em Educação: História, Política, Sociedade, na PUC-SP, com pesquisa financiada pelo CNPq e CAPES (2012), sob orientação da professora doutora Circe Maria Fernandes Bittencourt. É mestre em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com financiamento do CNPq (2008), sob orientação da doutora Heloísa Cruz. É Graduado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (1997), com pós-graduação lato sensu (especialização) em História e Historiografia da Amazônia, pela Universidade Federal do Amapá (2000). Atualmente é professor efetivo do Instituto Federal da Bahia (IFBA), atuando na docência em licenciaturas, cursos técnicos e Pós-graduação lato sensu, além de orientar TCCs e monografias. Exerce ainda as funções de docente e orientador de pesquisas de mestrado no Programa de Pós-graduação em Ensino e Relações Ètnico-Raciais na Universidade Federal do Sul da Bahia.

Ivan.jpg

IVAN CLÁUDIO PEREIRA SIQUEIRA

Instituição: FFLCH/USP

Doutor em Letras pela FFLCH/USP. Especialista em Música e História da Arte pela Berklee College of Music - EUA. Graduado em Letras pela UNESP (Português e Inglês). Membro do Conselho Nacional de Educação (2015-2020). Vice-Presidente da Câmara de Educação Básica do CNE (2016-2018). Presidente da Câmara de Educação Básica do CNE (2018-2020). Presidente interino do CNE (Jul/Ago 2020). Representante brasileiro no Mercosul Educacional (2016-2021). Conselheiro no Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (2019-2020). Áreas de atuação: Ciência da Informação, Educação, Língua Inglesa, Cultura Afro-Brasileira & Artes (Música, Literatura, HQ), Professor na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Professor Visitante na Kyoto University of Foreign Studies (Japão), 2014-2015.

Jerri Lynn Orr.jpg

JERRY-LYNN ORR

Instituição: Lakehead University

Jerri-Lynn é o especialista em currículo indígena na Lakehead University. Ela é Cree / Metis e originalmente de Winnipeg, onde recebeu seu Aboriginal Languages ​​(Diploma) / Bacharel em Artes (Geografia) / Bacharel em Educação através de um programa conjunto com a University of Winnipeg e Red River College, e mais recentemente, um Master de Educação em Educação para a Mudança: Especialização em Educação Indígena da Lakehead University.

 

Ela trabalhou na Lakehead University por 7 anos e chegou a esta posição do Escritório de Iniciativas Indígenas como a ex-coordenadora do Programa do Ano de Transição Indígena. Ela tem ampla experiência no desenvolvimento de currículos com foco em Maneiras Indígenas de Saber e ser, lecionou no ensino médio, educação de adultos e pós-ensino médio e teve a oportunidade de ministrar diversos workshops dentro e fora da comunidade universitária.    

 

Seus interesses de pesquisa incluem educação indígena, programas de acesso para estudantes indígenas e abordagens de pesquisa indígenas.

Joenia.jpg

DEPUTADA JOÊNIA WAPICHANA

Instituição:  Deputada Federal pelo partido Rede Sustentabilidade

Em sua trajetória, Joenia Wapichana também foi a primeira mulher indígena a se formar em direito no Brasil, em 1997, pela Universidade Federal de Roraima (UFRR). Posteriormente, conquistou o título inédito de mestre pela Universidade do Arizona, nos Estados Unidos. No Supremo Tribunal Federal (STF), a indígena também protagonizou um marco ao ser a primeira advogada indígena da história a realizar uma sustentação oral durante o julgamento que definiu a demarcação da TI Raposa Serra do Sol (RR). Representatividade indígena, PEC 215/00, Maro Temporal, Parecer 001/AGU foram temas abordadas na entrevista abaixo. O esclarecimento de Joenia Wapichana é voltado ainda sobre os projetos que almejam levar para o Congresso a demarcação das terras indígenas, tirando do Ministério da Justiça e da Funai.

Escritora do livro: Povos indígenas e a lei dos "brancos": o direito à diferença

Leonor.png

LEONOR ZALABATA TORRES

Instituição: Confederacion Indigena Tayrona

Membro do Comitê de Direitos Humanos da Confederação Indígena Tayrona no Comitê Nacional de Direitos Humanos Indígenas, Colômbia. Participante ativo nos processos políticos do povo Arhuaco. Participação ativa no Projeto Nacional de Diretrizes para a Educação Intercultural Bilíngue e no Currículo Educacional para o povo ARHUACO. Delegada nas Mesas Redondas Constitucionais Nacionais, 1991, para os Direitos Indígenas da Colômbia. Membro do Comitê de Gestão Territorial da Colômbia em nome dos Territórios Indígenas. Porta-voz das negociações dos povos indígenas colombianos, para a criação do Comitê Nacional de Direitos Humanos Indígenas, Decreto 1397, 1996. Coordenadora da Organização de Mulheres Indígenas Seynimin. Participação no Grupo de Trabalho da ONU para os Povos Indígenas e no Fórum Permanente da ONU para Questões Indígenas. Conquistas Educacionais:

Graduação em odontologia social, Universidade de Antioquia. Diploma em Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Direito Internacional Humanitário, Resolução de Conflitos e Construção da Paz, Unitar - Universidade do México. Conferências sobre Bioética, Universidade de Bosque, Bogotá, Colômbia. Participação no evento International Bioethics Society em Gijon, Espanha Atual membro do Comitê Científico, International Bioethics Society.

Mara.jpg

MARA BARRETO SINHOSEWAWE XAVANTE

Instituição: Povo Guarani/Xavante

Jornalista, Conciliadora de Conflitos Indígenas, Poeta e Escritora;

Colaboradora do jornalismo da  UOL- ECOA; 
Presidente da Associação Indígena Sinhosewawe Xavante; 

Criadora do grupo " Direitos dos Povos Indígenas- ONU "

Assessora de Comunicação da Aldeia indígena Wederã - Território Indígena Pimentel Barbosa / Mato Grosso.

Assessora de Projetos na Aldeia Wederã, Território Indígena Pimentel Barbosa / Mato Grosso. 

Pertencente ao povo Guarani/Xavante

Academia Sul Catarinense de Letras e Artes -ASCLA

Segunda Diretora de Comunicação na empresa Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil/Santa Catarina

Projeto Cultural Nacional e Internacional MarioCom'ParPoesias

Apresentadora na empresa Web Rádio Conecta - Unisul

É graduanda em Comunicação Social, e especialista em cosmetologia-estética na instituição de ensino UNISUL - Universidade

Maxim.jpg

MAXIM PAOLO REPETTO

Instituição: Universidade Federal de Roraima

Graduado em Bacharelado em Humanidades com menção em História - Universidade do Chile (1994), Mestre em Antropologia Social pela Universidade de Brasília (1997) e Doutor em Antropologia Social pela Universidade de Brasília (2002). Pós-Doutorado no Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropologia Social (CIESAS, DF- México), com Bolsa CAPES/MEC/Brasil (2009-2010). Tem experiência na área de Antropologia política e etnologia, com pesquisas na Argentina, Chile, Brasil e México. Atualmente é professor Associado nível IV na Universidade Federal de Roraima / UFRR, Brasil. Atua na área de antropologia e educação indígena, no Curso de Licenciatura Intercultural do Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena na UFRR. Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Fronteira (PPGSOF / UFRR). Coordena desde outubro de 2018 a Rede Amazônica Interdisciplinar de Programas de Pós-Graduação em Culturas, Territórios e Fronteiras (REDE INTERNORTE), que reúne programas de pós-graduação interdisciplinares na grande área de ciências sociais e humanas na Amazônia Brasileira. Desde março de 2020: Diretor de Pós-graduação, na Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação na UFRR.

Michel.png

MICHEL JUSTAMAND

Instituição: Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP/Guarulhos

Doutor em Ciências Sociais/Antropologia pela PUC/SP (2007); Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação Sociedade e Cultura na Amazônia-PPGSCA, da UFAM; Professor Associado II, do Departamento de História da Arte – DHA, na Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas-EFLCH, da Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP. Desenvolve pesquisas e publicações em Arte Rupestre (especialmente as pinturas/registros/vestígios rupestres do Parque Nacional Serra da Capivara-PNSC, no Piauí/Brasil).

Soraya Katia Yrigoyen Fajardo.jpg

SORAYA KATIA YRIGOYEN FAJARDO   

Instituição: Presidente do IID (Instituto Intenacional de Derecho y Sociedad)

Socióloga (PUCP), Doctora en antropología social (Universidad Complutense de Madrid), estudios de derecho (UNMSM), estudios en derechos humanos en el Centro de DH de Estrasburgo.Docente del curso de Globalización en la UPC y de las Diplomaturas de Estudio Internacional en Derechos de Pueblos Indígenas y Afrodescendientes (PUCPIIDS) y de la Maestría de Ciencias Sociales (PUCP), en el curso: “Género, cultura y sociedad”. Experta en globalización, género, derechos indígenas e interculturalidad.

Sarlene.jpg

SARLENE MOREIRA DA SILVA

Instituição: Universidade Federal de Roraima

 Graduada e Mestre em Administração PUC/SP(2012). Linha de pesquisa Gestão Integrada as Organizações, Ex- Bolsista do Programa Internacional de Bolsas de Pós-Graduação da Fundação Ford (International Fellowships Program - IFP). Especialista em Gestão em Saúde, ENSP/FIOCRUZ. Ex-conselheira Estadual e Nacional de Saúde, organizações indígenas, CIR e COIAB, CES/RR, CNS/MS. Coordenadora adjunta da 6ª Conferência Nacional de Saúde Indígena 6ª CNSI/SESAI/MS. Conselheira Distrital Suplente dos DSEI´S LRR/Yanomami. Docente no Curso de Gestão em Saúde Coletiva Indígena, Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena/INSIKIRAN/UFRR, área de atuação, Política, Planejamento, Financiamento e Gestão em Saúde, Medicina Tradicional Indígena e Controle Social e Gestão Participativa. Coordenadora do programa de capacitação de profissionais de saúde na rede do SUS, Hospital HGR e Hospistal da Criança Santo Antonio. Objetivo II e X do IAEPI- Saúde Indígena e Interculturalidade. Possui amplo conhecimento nacional e internacional voltado a questões socioculturais, ambientais e saúde dos povos indígenas.

Dilson Ingariko.jpg

DILSON DOMENTE INGARIKÓ

Instituição: Adjunto da Secretaria do Índio do Estado de Roraima.

É formado no curso de Magistério Parcelado Indígena pela antiga Escola Estadual de Formação de Professores de Boa Vista - Roraima (1999), possui graduação em Licenciatura Intercultural com habilitação em Ciências da Natureza pelo Núcleo Insikiran de Formação Superior Indígena da Universidade Federal de Roraima (2008) e cursa a graduação em Direito pela Universidade Federal de Roraima. Atuou junto à prof.ª Drª. Maria Odileiz Souza Cruz no desenvolvimento da primeira fonologia e gramática da língua indígena da sua etnia Ingarikó - Kapon, objeto de tese de doutorado da mesma realizada na Vrije Universiteit Amsterdam - Holanda (1998 - 2002). Foi um dos fundadores do Conselho Indígena Ingarikó - COPING e presidente eleito do mesmo pelo período de dois mandatos (2013 - 2015). Foi membro suplente da Comissão Nacional de Política Indigenista - CNPI da Comissão Nacional de Política Indigenista - Ministério da Justiça, participando das reuniões ordinárias e extraordinárias no período de 2006 a 2012. Fez parte do colegiado da Federação de Reocupação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol. Foi eleito vereador por duas vezes pelo município do Uiramutã - RR, em 2004 e 2008. Foi nomeado secretário da Secretaria Estadual do índio de Roraima - SEI RR em 2016 até 2018. Atualmente é professor da Secretaria de Educação e Desporto do Estado de Roraima, tendo atuado como professor na aldeia Manalai, na região do Uiramutã, e como gestor da Escola Estadual Sales Ingaricó. Tem experiência na área de Pedagogia, Linguística e Direito, com ênfase em Direito Indígena. Atualemente é adjunto da secretaria do Indio do Estado de Roraima.

Sineia.jpg

SINÉIA DO VALE WAPICHANA 

Instituição: CIR - Conselho Indígena de Roraima

Lider indígena da etnia wapichana, das terras indígenas Raposa Serra do Sol e Serra da Lua, localizadas ao norte de Roraima, na fronteira entre o Brasil e a Guiana. Gestora ambiental e coordenadora do departamento ambiental do Conselho Indígena de Roraima. Destaque internacional ao ser convidada a participar da Cúpula de Líderes sobre o Clima

Integra o Conselho Indígena de Roraima (CIR), que tem por objetivo a luta pela garantia dos direitos assegurados na Constituição Federal e o fortalecimento da autonomia dos povos indígenas no estado de Roraima.

Organizou, juntamente com Alessandro Roberto de Oliveira, a publicação Amazad Pana’adinhan : percepções das comunidades indígenas sobre as mudanças climáticas: região da Serra da Lua – RR. Participou do documentário Quentura, dirigido por Mari Corrêa, que mostra as transformações do clima na voz de mulheres indígenas da Amazônia; destacando suas percepções e experiências vivenciadas em função das mudanças climáticas e como essas afetam suas roças, alimentação e modo de vida na floresta.

Participou da Cúpula de Líderes sobre o Clima de 2021, comandada pelo presidente americano Joe Biden, aconteceu no mesmo dia 24 de abril, Nesta conferência, Sinéia participou virtualmente do painel “Ação Climática em Todos os Níveis”; em uma conversa que foi mediada pelo administrador da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA), Michael Reagan, e contou com as presenças de outras mulheres como a prefeita de ParisAnne Hidalgo, e a presidente do Congresso Nacional dos Indígenas AmericanosFawn Sharp.

7946fc1dde2b08d4f7eaea7ce0014a23.jpg