I Seminário Internacional de Educação Intercultural Bilíngue reúne pesquisadores e estudantes de várias universidades da América latina

SIEIB2018_7
SIEIB2018_7

press to zoom
SIEIB2018_5
SIEIB2018_5

press to zoom
SIEIB2018_3
SIEIB2018_3

press to zoom
SIEIB2018_7
SIEIB2018_7

press to zoom
1/5

As atividades do I Seminário Internacional de Educação Intercultural Bilíngue começaram na segunda-feira (09/07/2018) com a recepção dos participantes, expositores, conferencistas, debatedores e comunidade em geral.

A cerimônia de abertura ocorreu na terça-feira (10/07/2018), às 16h, no Centro Amazônico de Fronteira (CAF/UFRR) com a presença de estudantes, professores de várias universidades latinas, representantes da administração superior da UFRR e do Instituto Federal de Roraima (IFRR). O tema desta edição é "Desafios na formação de indígenas em contextos transfronteiriços". O evento seguiu até sexta-feira (13/07/2018). 

A finalidade do seminário foi promover o debate sobre a educação intercultural bilíngue com o protagonismo de estudantes indígenas de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e mestres indígenas de diferentes etnias que compõem a morfologia étnico-cultural de Roraima. 

O reitor em exercício na época, professor Dr. Américo de Lyra, disse durante a cerimônia de abertura que este é um momento importante para aprofundar o conhecimento intercultural e trazer para o debate o saber cosmológico dos povos indígenas. 

Segundo ele, desta forma iremos contribuir para a desconstrução de pensamentos e práticas conservadoras que levam à processos de invisibilidade do “outro” ou de quem é “diferente”. “A palavra que quero usar nesta noite é: encantamento. Temos aqui uma união de vidas, de cosmogonias. Precisamos deste esforço para encantar um pouco mais este mundo e fazer com que as palavras não sejam apenas retóricas, mas que tenham vida”, afirmou.   

O coordenador geral do evento, professor Dr. Marcos Braga, avaliou como positivo o primeiro dia de encontro. “O seminário está propondo este diálogo transcultural nas relações fronteiriças, principalmente com a Venezuela e a outros países como o Suriname, Guiana, México; trazendo para o debate o protagonismo indígena e discutindo a formação intercultural bilíngue nos espaços transfronteiriços”, explica. 

A reitora do IFRR, Sandra Mara de Paula Dias Botelho, destacou que o evento foi importante para o contexto que na época passava o estado de Roraima e o Brasil. “Estamos tendo uma oportunidade de presenciar in loco a questão bilíngue. Nossas instituições já fazem este intercâmbio, já desenvolvem um processo de interculturalidade gastronômica, comercial, financeira e porque não fazer na educação? Isso é importante, sobretudo agora. Nossas instituições têm cursos de formação de professores e nós precisamos elencar esta possibilidade de integração com todos os povos, sejam venezuelanos, moçambicanos, haitianos, dentre outros”, analisa.   

PAEP - O evento teve projeto aprovado no edital do Programa de Apoio a Eventos no País, vinculado à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

O PAEP é um programa que visa impulsionar a realização de eventos científicos, tecnológicos e culturais de curta duração no país, com envolvimento de pesquisadores, docentes e discentes dos programas de pós-graduação.

7946fc1dde2b08d4f7eaea7ce0014a23.jpg